Eu sempre digo que o primeiro passo antes de se iniciar no mundo dos vinhos é dar prioridade ao seu gosto pessoal. Não existe certo ou errado, melhor ou pior – Apenas nossas preferências, já que temos estilos e gostos diferentes para
tudo.

Quando degustamos um vinho, cada um de nós percebe um sabor, um aroma de forma diferente e com energias diferentes.

Aprender a gostar de vinho é mais fácil do que se imagina. É uma questão apenas de acostumar nossas papilas gustativas com os sabores que caracterizam a bebida e ter boa vontade, claro!

Existem cinco características que definem o perfil do vinho:
Doçura, acidez, taninos, álcool e corpo.
E os estilos de vinhos são definidos numa escala de leve aos mais encorpados: Espumantes, vinho branco leve, vinho branco encorpado, vinho branco aromático, vinho rosé, vinho tinto leve, vinho tinto médio corpo, vinho tinto encorpado e vinhos de sobremesa.

É muito comum não apreciar os encorpados logo de início, pois o paladar costuma ser mais preparado para os sabores leves e frutados. Mas nada de preocupação, pois com o tempo nos adaptamos. Eu sugiro começar pelos vinhos brancos, os rosés e os tintos leves ou até mesmo os vinhos de sobremesa, que são vinhos muito sofisticados, diga-se de passagem.

Então vamos às dicas:
1 – Experimente tipos diferentes de vinho. Para aprender a degustar qualquer bebida, precisamos ter experiências, só assim você irá aumentar a possibilidade de encontrar o que realmente goste e ainda conheça vinhos de diferentes países.

2 – Busque as uvas da sua preferência – Dependendo da uva, o sabor e o aroma de um vinho podem mudar muito. Para quem está começando a beber, o ideal é que o vinho seja à base de uvas mais leves, aromáticas e com pouca complexidade. Destaco aqui algumas uvas mais conhecidas e apreciadas que, geralmente, originam vinhos mais delicados:
Gamay, Grenache (ou Garnacha), Pinotage, Pinot Noir.

3 – Beba vinhos em várias ocasiões e lugares. Esta bebida é apropriada para todos os tipos de eventos e lugares, e vinhos diferentes ficam bons com locais ou estações do ano diferentes.

4 – Frequente degustações de vinhos, compare os rótulos e faça registros dos sabores que mais gostou e dos que não gostou também. Desta forma você será capaz de ter suas próprias referência.

E o mais importante de tudo, desfrute do vinho que você realmente gosta, sem se preocupar com os rituais, pois ele faz parte do nosso dia a dia. E lembre-se: nunca
ultrapasse o seu limite, pois se beber demais e passar mal poderá desenvolver uma antipatia inconsciente pelo vinho e isso não será bom para o aprendizado.

Me despeço com a dica mais valiosa: Ter estilo é respeitar a sua identidade!

Foto: Sarah Stedile

Comentários