Quem mora na Asa Norte ou região e é amante de chá agora tem um point certo por ali para comprar, beber e aproveitar ao máximo o que a bebida tem a oferecer. O Boulevard Shopping acaba de ganhar a mais nova loja da Tea Shop, com abertura oficial marcada para o dia 14 de dezembro. Parte do projeto de expansão da marca, esta é a 27ª unidade aberta da rede, no país.

Com produtos trazidos de regiões como Sri Lanka, China, Índia, Japão,Quênia, África do Sul, entre outros, a loja conta com mais de 100 blends de chás e infusões, além de acessórios para tornar ainda mais rica a experiência.

Opções não faltam: relaxantes, digestivos, energizantes, detox, isotônicos, emagrecedores e antioxidantes são apenas alguns do tipos encontrados no espaço comandado pela empresária Clélia Brito, franqueada de Brasília.

As principais novidades são as especiais de fim de ano: Snow Christmas, Golden Christmas e Matcha Shake Christmas Tea. O primeiro é um blend de chá branco e chá verde com maçã caramelizada e camomila romana. A versão Gold é feita com ouro comestível, e mescla de chá preto a tâmaras e passas. Já o Matcha mistura amêndoas, casca de laranja, maçã, canela e cravo.

Coleciona xícaras? Então você vai querer a Mug Harmony Golden Tree, feita em porcelana, assim como sua tampa, acompanhada de infusor de inox. Também inédita, a Mug Super Jumbo Golden é produzida em porcelana chinesa e vem com filtro de aço inoxidável
com silicone para evitar queimaduras.

Boutique Gourmet
A empresária ainda adianta que os clientes desfrutarão de um espaço gourmet para consumo dos chás e um cardápio de comidinhas como Rede Velvet, Bolo de Nozes, Torta três chocolates, cheesecake, empanadas, broa de fubá, quiche e pão de queijo para acompanhar a bebida.
Todos os lançamentos também já estão na loja do Park Shopping.

Chá pra que te quero 
Onde: Tea Shop Brasília
Boulevard e ParkShopping 
Funcionamento: Segunda a sábado, das 10h às 22h; domingo, das 14h ás 20h. 
Site: https://www.teashop.com.br

Comentários

Max Cajé
Cria do Cerrado, Max Cajé negou as raízes ao detestar pequi, descobriu que o amor à culinária nordestina era hereditário e que paladar é algo que se conquista, com muito treino e, às vezes, dinheiro para pagar a conta. Sempre teve uma relação de amor com a comida e nunca deixou de agradecer o advento do metabolismo rápido nesse processo. Começou a estrada de jornalista escrevendo sobre moda, caiu na Gastronomia por acidente e se especializou por amor. Aprendeu que até chegar à mesa, o alimento cria carreiras, muda vidas, aguça os sentidos e cria histórias, boas e ruins, as quais pretende contar aqui.