Opção para quem não quer se preocupar com a confecção da ceia e não abre mão de uma boa comida e um ambiente agradável, o Limoncello funcionará para a noite de Natal nesta terça, de 24 para 25 de dezembro, além de promover seu Reveillon.

Os cardápios foram feitos especialmente para o fim de ano pelo Chef Samuel Sant’Ana com releituras de clássicos. Já a decoração temática, trabalhada em dourado é assinada pela proprietária Fabiany Damasceno.

No valor de R$165,00 por pessoa, os comensais terão Castanhas, frutas e frutas secas de couvert; salada com frango defumado e croutons de panetone como entrada; além de três pratos principais: Camarão com fonduta de queijo e risoto de maçã verde; Peru com coulis de laranja e couscous de castanhas e frutas secas; e Pernil suíno com redução de tâmaras, e mousseline com castanhas.

Para encerrar o jantar natalino, Creme de nozes, Tiramisù, Panna Cotta com creme de mascarpone, amarettis e calda de frutas vermelhas; e a tradicional Rabanada recheada com doce de leite.

Já no Ano Novo, as comemorações do dia 31 para o dia 01 de janeiro custam R$200,00 por pessoa com direito a couvert, entrada, pratos e sobremesas. Para animar a virada, a atração da noite é o trio de jazz Taliz e Emanuelle, acompanhados de percurssão.

Confira o cardápio da virada:
COUVERT: Castanhas, frutas e frutas secas
ENTRADA: Salada de lentilha com crisps de cebola e parma OU salada de camarão, manga, hortelã e molho picante

PRATOS PRINCIPAIS:
Camarões grelhados com vinagrete de frutas vermelhas e romã e aligot
Filé mignon ao molho de fonduta de brie e risoto de alho negro
Paleta de Cordeiro com couscous de castanhas

SOBREMESA:
Tiramisù
Panna Cotta – Servida com creme de mascarpone, amarettis e calda de frutas vermelha
Crème brûlée de mascarpone e baunilha servido com sorvete de pistache

SERVIÇO:
Limoncello
Cls 402 bloco A loja 33
Asa Sul- Brasilia
Reservas:61-32263208 ou 61-984131101
reservas@limoncelloristorante.com.br
www.limoncelloristorante.com.br

Comentários

Max Cajé
Cria do Cerrado, Max Cajé negou as raízes ao detestar pequi, descobriu que o amor à culinária nordestina era hereditário e que paladar é algo que se conquista, com muito treino e, às vezes, dinheiro para pagar a conta. Sempre teve uma relação de amor com a comida e nunca deixou de agradecer o advento do metabolismo rápido nesse processo. Começou a estrada de jornalista escrevendo sobre moda, caiu na Gastronomia por acidente e se especializou por amor. Aprendeu que até chegar à mesa, o alimento cria carreiras, muda vidas, aguça os sentidos e cria histórias, boas e ruins, as quais pretende contar aqui.