Os amantes de carnes nobres podem por na agenda a visita a um lugar especial na 412 Norte, a Blend Boucherie, primeira casa da cidade a apostar no exclusivo conceito de boucherie francesa, que apresenta uma boutique de carnes com um serviço onde o cliente
escolhe o ponto, o tipo de crosta (macadâmia ou ervas frescas) e o molho que mais lhe agrada para seu corte, além do rodízio de acompanhamentos que oferece até 10 tipos de guarnições diferentes, por um único preço.

O chef Marcello Lopes e a restauranteur Naira Melo encabeçam o projeto. “Sempre quis ter uma boutique de carnes, mas não tinha a ideia formatada até ir a uma boucherie na França, quando vi como funcionava entendi que era exatamente o tipo negócio que queria estabelecer aqui na cidade”, diz Lopes.

Entre os cortes oferecidos estão o beef ancho (R$68,90), filé macadâmia (R$55,90), fraldinha (46,90), bife em tiras (R$ 51), rabada (R$48) e chorizo (58,90). O peito de frango recheado com queijo minas, tomate seco e rúcula (R$45,90), a pescada amarela com crosta de pistache (R$52,90) e paleta de porco (R$49,90) chegam para os que preferem carne branca.

São sete molhos disponíveis para os clientes: poivre, roty, chimichurri, Dijon, gorgonzola, pizzaiolo e limão siciliano com ervas. Já nos acompanhamentos, a casa oferece arroz de alho negro com alho poró crispy, polenta mole de queijos com grana padano, batata wedge com parmesão e ervas, risoto de quinoa, purê de batata baroa com creme de queijos, entre outros.

De olho na onda dos hambúrgueres artesanais, durante à noite, a casa inclui no menu cinco sugestões na casa dos R$ 20,00. O menu ainda contempla saladas, batatas, milkshake, sucos especiais, drinks, além de carta de vinhos e rótulos de cervejas especiais.

SERVIÇO:
Blend Boucherie
Onde: CLN 412, Bloco B – Asa Norte- Brasília
Telefone: 3544-7444
Funcionamento: Segunda a domingo das 11h30 às 15h e das 18h às 00h
Instagram: @blendboucherie

Comentários

Max Cajé
Cria do Cerrado, Max Cajé negou as raízes ao detestar pequi, descobriu que o amor à culinária nordestina era hereditário e que paladar é algo que se conquista, com muito treino e, às vezes, dinheiro para pagar a conta. Sempre teve uma relação de amor com a comida e nunca deixou de agradecer o advento do metabolismo rápido nesse processo. Começou a estrada de jornalista escrevendo sobre moda, caiu na Gastronomia por acidente e se especializou por amor. Aprendeu que até chegar à mesa, o alimento cria carreiras, muda vidas, aguça os sentidos e cria histórias, boas e ruins, as quais pretende contar aqui.