Rabada, carne seca, carne de sol, jabuticaba, seriguela, castanha, queijo coalho, mandioca e por aí vai. Símbolos da típica gastronomia brasileira, esses ingredientes são os destaques da 8ª edição do festival Panelas da Casa, que celebra o amor pelo Brasil.

Prato principal Carpe Diem

O festival chega à Capital no próximo dia 07 de fevereiro, em 11 restaurantes, competindo diretamente com o tradicional Restaurant Week e o estreante Boa Mesa Brasília. Aqui, o menu completo (entrada + principal + sobremesa) tem o valor fixo de almoço e jantar por R$52,00.

As casas participantes são o Belini Pães & Gastronomia, Bhumi – Cozinha Orgânica e Saudável, Cantucci Bistrô, Carpe Diem, C’est la Vie – Bistrô & Creperia, Café Savana, EL Paso, Genghis Kahn, Nossa Cozinha Bistrô, Reverso e Veloce Massas.

“O desafio foi fazer com que cada chefe trouxesse para o seu menu ingredientes ou modos de preparos tipicamente brasileiros. O mais bacana é que cada casa conseguiu estabelecer dentro da sua especialidade um toque dessa brasilidade. Por exemplo, no meu caso o ceviche, um prato genuinamente peruano, ganha o toque da siriguela”, explica o chef da rede El Paso, David Lechtig.

Parceira de longa data do Panelas, a cervejaria Colombina traz novamente seus rótulos com preços especiais para o festiva. As Colombinas Larger, Weiss e IPA saem a R$ 19,90 cada, e o lançamento exclusivo, Colombina Pilsen, chega por R$ 12,90.

8ª Edição Panelas da Casa – Brasilidade
Data: 07 de fevereiro a 03 de março
Menu Completo (entrada + principal + sobremesa): R$52,00
Cerveja Colombina Pilsen (lançamento): R$ 12,90
Cerveja Colombina Larger, Weiss e IPA R$ 19,90
https://www.facebook.com/panelasdacasa/
@panelasdacasa

Comentários

Max Cajé
Cria do Cerrado, Max Cajé negou as raízes ao detestar pequi, descobriu que o amor à culinária nordestina era hereditário e que paladar é algo que se conquista, com muito treino e, às vezes, dinheiro para pagar a conta. Sempre teve uma relação de amor com a comida e nunca deixou de agradecer o advento do metabolismo rápido nesse processo. Começou a estrada de jornalista escrevendo sobre moda, caiu na Gastronomia por acidente e se especializou por amor. Aprendeu que até chegar à mesa, o alimento cria carreiras, muda vidas, aguça os sentidos e cria histórias, boas e ruins, as quais pretende contar aqui.